outubro 27, 2020

No âmbito da agenda de transformação digital, o presidente do Botswana, Mokgweetsi Masisi, inaugurou no passado sábado (24) o serviço de televisão por protocolo de internet, com a marca UPIC TV, assistência da Botswana Fiber Networks.

Falando no lançamento em Gaborone, o presidente Mokgweetsi referiu streaming ao vivo, que a plataforma de conteúdo digital contribuiria para uma nação digitalmente inclusiva por meio das artes e da indústria criativa, apresentando a narrativa e o entretenimento de Botswana de forma online.

“Fizemos a promessa de fomentar a economia criativa para torná-la como uma fonte de crescimento econômico, criação de empregos, inovação e comércio, bem como para expor a nossa arte e cultura aos mercados internacionais. Também fizemos a promessa de promover o Botswana como sociedade digital e impulsionar o investimento na transformação digital do nosso país. Estou, portanto, satisfeito em observar que o lançamento desta plataforma representa um marco no cumprimento dessas promessas”, disse o presidente.

De acordo com Daily News Botswana, o governo, por meio da sua estratégia da indústria criativa, buscou comercializar o sector, conforme destacado pela aprovação de um projecto de lei para estabelecer um conselho nacional de artes.

Por outro lado, o Ministro dos Transportes e Comunicações daquele país, Thulagano Segokgo, disse que para esse projecto, a BoFiNet gastou muito tempo e esforços consideráveis trabalhando com provedores de serviços de Internet e o sector criativo do país.

O Sr. Segokgo disse que o projeto faz parte dos esforços contínuos para aumentar as iniciativas de desenvolvimento de conteúdo local, exemplificadas pela parceria da BoFiNet com a HUB TV, uma empresa de produção de conteúdo de propriedade jovem.

UPIC TV é o primeiro projecto neste segmento de streaming ao vivo, comissionado com sucesso no Botswana. A plataforma está alinhada com as aspirações da Estratégia Nacional de Banda Larga no que se refere ao desenvolvimento de conteúdo local.

A Netflix Inc, informou recentemente que, está a trabalhar com operadoras de telecomunicações em África para tornar mais fácil a assinatura e pagamentos dos seus serviços.

De acordo com as declarações avançadas à Reuters Kenya, a gigante do streaming de conteúdo online, que tem 193 milhões de assinantes em todo o mundo, está ansiosa para se expandir em África, e procura maneiras de superar desafios como internet lenta, cara e a falta de infraestrutura de pagamentos adequada no continente.

“Dada a baixa penetração do cartão de crédito em todo o continente, fizemos uma parceria com empresas de telecomunicações locais para que os seus clientes possam adicionar assinaturas da Netflix às suas contas”, disse Dorothy Ghettuba, chefe de programação original da Netflix para a África. Dorothy avançou que já têm parcerias com a Vodacom e a Telkom da África do Sul, acrescentando que a Netflix está em busca de novas parcerias.

“A Internet de alta velocidade cara em alguns países também é um desafio importante”, disse Ghettuba, acrescentando que a Netflix está a tentar resolver isso permitindo downloads em banda larga para visualização posterior em vez de usar dados móveis caros para streaming.

A Netflix, já está bem estabelecida na África do Sul e na Nigéria, agora está voltada para o mercado queniano, disse Ghettuba.

“A empresa está entusiasmada com a África e está envidando todos os esforços para apoiá-la”, disse Ghettuba, que ingressou na Netflix no ano passado, após uma década dirigindo uma produtora queniana.

Ghettuba se recusou especificar o valor dos investimentos da Netflix em África, mas avançou que já acertou uma série de acordos de licenciamento de conteúdo com produtores africanos em mercados como Senegal, Gana, Zimbábue, Angola e Moçambique.

A Huawei fez parceria com a Mondia Pay, um provedor líder de pagamentos digitais para oferecer mais serviços de pagamentos directo via operadora e kit de compra no aplicativo para os usuários. O Mondia Pay estará disponível como cobrança direta da operadora e e-wallet no AppGallery da Huawei.

De acordo com a Tech Gist Africa, a parceria aumentará o alcance da Huawei em todo o Médio Oriente e na região africana. Além disso, usuários Huawei e HONOR em cerca de 20 países podem fazer pagamentos eletrónicos com segurança, sem usar cartões ATM. Este recurso está disponível no aplicativo móvel Mondia Pay na AppGallery.
A Huawei aproveitou a Mondia Pay, como líder em fintech no Médio Oriente e na região de África, fornecendo canais de pagamento simples, rápidos e seguros para os clientes.

Essa parceria resolve o problema em torno da baixa penetração do cartão de crédito na maioria dos mercados da região. Suporta transações e protege as pessoas contra a transmissão de COVID-19.

“Esta nova parceria com a Huawei é um endosso da expertise da indústria da Mondia Pay que garante um profundo conhecimento de África. Clientes em todo o continente se beneficiarão de nossa tecnologia de pagamento digital totalmente integrada para fazer pagamentos sem atrito de maneira rápida, segura e protegida. Também apoiamos a progressão natural para sociedades sem dinheiro, acelerada por assuntos actuais, como COVID-19 ”, disse Simon Rahmann, CEO da Mondia Pay.

A Mondia Pay conecta pessoas e experiências digitais, criando oportunidades infinitas, entendendo onde a tecnologia se encaixa usando esse conhecimento para identificar soluções que impulsionam os negócios e mudam as experiências do usuário.

O secretário de Estado para as Telecomunicações e Tecnologias de Informação, Mário Oliveira, revelou esta quarta-feira, em Luanda, que o país já possui mais de 50 especialistas espaciais, entre formandos e outros em fase de "upgrade".

Mário Oliveira prestou esta informação à imprensa, durante as jornadas comemorativas dos 45 anos da independência nacional (11 de Novembro) e da Semana Mundial do Espaço, assinalada anualmente de 4 a 10 de Outubro, este ano sob o lema “Os satélites melhoram a vida das pessoas”.

Na ocasião, o secretário de Estado congratulou-se com a participação de crianças e jovens nas festividades alusivas à Semana Mundial do Espaço, o que no seu entender demonstra interesse na Ciência Espacial.

“Tudo isto a pensar no futuro de Angola, porque os satélites hoje em dia têm uma grande participação na vida de todos, desde a agricultura, ordenamento de território, defesa e protecção dos territórios, navegação aérea e marítima e nas telecomunicações”, disse.

Questionado sobre os profissionais que farão o manuseio do Angosat 2 quando estiver em órbita, o secretário de Estado fez saber que existem angolanos a acompanhar a construção do satélite, lembrando que o Centro de Missão Espacial da Funda está a ser gerido por técnicos nacionais.

“Em função daquilo que hoje o mundo vive, houve um desaceleramento de alguns trabalhos, mas o cronograma está a ser reajustado e em tempo oportuno será comunicada a data exacta do fim da construção e o lançamento do Angosat 2, que pode ser em 2022”, realçou.

No Centro de Acolhimento Mama Muxima, o secretário de Estado para as Telecomunicações de Tecnologias de Informação procedeu à inauguração da sala de informática, instalada pelo seu pelouro.

“Tem sido apanágio nosso quando montamos centros dessa natureza dar formação aos professores locais por forma a que o centro não fique dependente do Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação”, acrescentou.

A Semana Mundial do Espaço foi oficialmente declarada pelas Nações Unidas como sendo, anualmente, de 4 a 10 de Outubro. É uma celebração internacional da contribuição da ciência e tecnologia espacial para o melhoramento da condição humana.

As datas que delimitam a Semana Mundial do Espaço comemoram acontecimentos marcantes da era espacial: no dia 4 de Outubro de 1957 foi lançado o Sputnik I, o primeiro satélite terrestre construído pelo homem. O Tratado de Exploração Pacífica do Espaço Exterior foi assinado pelos estados membros da ONU no dia 10 de Outubro de 1967.
Durante a Semana Mundial do Espaço, ocorrem em todo o mundo vários eventos e programas educacionais relacionados com o espaço. No ano passado, mais de 2.700 eventos em diferentes países celebraram os benefícios do espaço e o entusiasmo pela exploração espacial.

O Diretor Geral da GSMA, Mats Granryd, anunciou durante a abertura no Thrive Africa 2020 que, Kigali sediará o Mobile World Congress (MWC) Africa, que pela primeira vez irá trazer eventos globais para o continente.

De acordo com o GSMA, o certame reunirá os principais nomes de negócios e tecnologia para tornar o evento mais conectado e influente do continente. O MWC servirá para discutir a preparação de África na 4ª Revolução Industrial, uma vez que, nos próximos cinco anos, o continente hospedará 1,3 bilhão de dispositivos e conexões IoT, com vista a aumentar a conectividade essencial para maximizar os benefícios disponíveis.
“Estou orgulhoso do que construímos com o Thrive e os eventos anteriores do Mobile 360, que ajudaram a moldar o futuro digital conectado do continente”, disse Granryd. “A partir de 2021, celebraremos o MWC Africa, unindo-nos à nossa plataforma líder mundial para liderança de pensamento e tecnologia, reconhecendo o importante papel que a África desempenhará no nosso futuro conectado”.

Falando sobre o recente relatório da GSMA no continente, que mostra uma projecção gradual para os próximos anos, Akinwale Goodluck, Chefe da África, GSMA disse que as descobertas do relatório sobre a Economia Móvel na África Subsaariana mostram claramente a importância e o valor da conectividade digital.

“Perceber todo o potencial de um futuro digital progressivo requer um debate político informado do tipo que a GSMA Thrive Africa irá realizar. Estou ansioso para dar pessoalmente as boas-vindas a todos no MWC21 Africa inaugural, um evento que representa o próximo passo do continente para acabar com a exclusão digital”.

Este ano, a Thrive Africa examinou o papel da conectividade em impulsionar um futuro melhor, fazendo uma ante visão daquilo que será o MWC21 Africa. Idealizado pela GSMA, Orange, MTN, ZTE e Mastercard, o Thrive Africa reuniu os líderes de África em um evento virtual para criar a experiência de tecnologia mais conectada e influente do continente. O evento também é patrocinado pela Huawei, Intelsat, MFS Africa e Safaricom.

A GSMA também produz os eventos MWC líderes do setor realizados anualmente em Barcelona, Los Angeles e Xangai, bem como a Thrive Series de conferências regionais.

Pág. 1 de 3
© 2020 Portal de T.I Todos Direitos Reservados | Telefone: +244930747817 | E-mail: info@portaldeti.com