outubro 20, 2020

De acordo com o comunicado da empresa nesta sexta-feira (9), mais funcionários estão a ser permitidos trabalhar permanente em casa.

Actualmente, devido a Pandemia em curso, maior parte dos trabalhadores da Microsoft estão a trabalhar em casa, porém a empresa pretende adotar um "local de trabalho híbrido", internamente para permitir uma flexibilidade maior, quando os escritórios nos Estados Unidos finalmente reabrirem.

Segundo o site The Verge, a Microsoft agora permitirá que os funcionários trabalhem de casa livremente por menos de 50% de sua semana de trabalho ou que os gerentes aprovem o trabalho remoto permanente. Os funcionários que optarem pela opção de trabalho remoto permanente abrirão mão de seu espaço de escritório atribuído, mas ainda terão opções para usar o espaço de toque disponível nos escritórios da Microsoft.

A pandemia COVID-19 desafiou todos nós a pensar, viver e trabalhar de novas maneiras”, disse Kathleen Hogan, directora de pessoal da Microsoft, em uma nota aos funcionários. “Ofereceremos o máximo de flexibilidade possível para apoiar estilos de trabalho individuais, ao mesmo tempo em que equilibramos as necessidades de negócios e garantimos que vivemos nossa cultura”.

Embora a empresa tenha adoptado o trabalho a partir de casa, ainda existe algumas actividades que exigem a presença física nos escritórios, como é o caso do acesso ao laboratório de hardware, data centers e treinamento pessoal. Os funcionários também terão permissão para se deslocarem para o país de origem com aprovação, ou até mesmo buscar uma mudança internacional se o trabalho remoto for viável para sua função específica.

Ademais, a opção de retoma ao País de origem, e exercer o trabalho remoto, exigirá que haja ajuste no salário e benefícios, em função da escala geográfica da empresa.

A mudança da Microsoft para um trabalho mais flexível ocorre meses depois que a empresa notificou os funcionários de que seus escritórios nos Estados Unidos não seriam reabertos até Janeiro de 2021, no mínimo . A Microsoft originalmente permitiu que seus funcionários trabalhassem em casa em Março, antes de aplicar uma política de trabalho obrigatório em casa, já que a pandemia se espalhou por Seattle e nos Estados Unidos.

Há dois anos, a Microsoft fez afundar um Data Center na costa de Orkney para um experimento, tendo sido comprovado que apenas oito dos 855 servidores registaram falhas a bordo.

A BBC noticiou que o Data Center foi agora recuperado do fundo do oceano, e os pesquisadores da Microsoft avaliam o seu desempenho e o que podem aprender com essa experiência sobre eficiência energética. A primeira conclusão da experiência mostrou que o cilindro com servidores, teve uma taxa de falha menor do que um Data Center convencional.

A equipa que participa do experimento, especula que a maior confiabilidade pode estar ligada ao facto de que não havia humanos a bordo e que nitrogênio, em vez de oxigênio, foi bombeado para a cápsula.

"Nossa taxa de falhas na água é um oitavo do que vemos em terra. Achamos que tem a ver com essa atmosfera de nitrogênio que reduz a corrosão, e as pessoas não mexem nas coisas ", disse Ben Cutler, lider do projecto denominado Natick.

O Projeto Natick visava em parte descobrir se os clusters de pequenos centros de dados subaquáticos para uso de curto prazo poderiam ser uma proposta comercial, mas também uma tentativa de aprender lições mais amplas sobre eficiência energética na computação em nuvem.

“Conseguimos resultados satisfatórios no que a maioria dos Data Centers baseados em terra considera uma rede não confiável”, disse Spencer Fowers, um dos membros da equipe técnica do Projeto Natick.

David Ross, consultor do sector de Data Center há muitos anos, diz que o projecto tem um grande potencial, acreditando que as organizações que enfrentam desastre natural ou ataque terrorista, podem achar atraente: "Você poderia efectivamente mover algo para um local mais seguro sem ter todos custos de infraestrutura bem como construir um edifício.

O experimento em Orkney acabou. Mas a esperança é que o resultado seja um armazenamento de dados mais ecológico, tanto em terra quanto debaixo da água.

A Microsoft anunciou que lançará o seu serviço de streaming de jogos, conhecido como Projecto xCloud, em 15 de Setembro, exclusivamente em dispositivos Android.

A falta de suporte ao iOS no lançamento será decepcionante para os proprietários de iPhone e iPad. Embora a Microsoft tenha testado o xCloud no iOS , a empresa revelou anteriormente que seus testes eram limitados devido às políticas da App Store da Apple, tendo informado que os usuários do iPhone e iPad terão que esperar. A empresa não revelou quais políticas da Apple impedem o lançamento do xCloud no iOS.

"É nossa ambição escalar jogos em nuvem através do Xbox Game Pass disponível em todos os dispositivos, mas não temos mais nada a partilhar no momento com relação ao iOS", disse um porta-voz da Microsoft em comunicado.

A Microsoft disse que espera estender seu “primeiro dia de acesso a novos títulos do Xbox Game Studios como parte do Xbox Game Pass” para o serviço xCloud também. Um catálogo completo de jogos ainda não está disponível, mas a Microsoft partilhou uma lista parcial, que inclui Halo: The Master Chief Collection , Yakuza Kiwami 2 , Destiny 2 e Minecraft Dungeons.

O projecto será lançado inicialmente em 22 países no próximo mês, incluindo Áustria, Bélgica, Canadá, República Checa, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Hungria, Irlanda, Itália, Holanda, Noruega, Polónia, Portugal, Eslováquia, Espanha, Coreia do Sul, Suécia e Suíça. , Reino Unido e Estados Unidos.

A gigante tecnológica revelou ainda que está em parceria com a Razer, PowerA, 8BitDo e Nacon para criar acessórios e controladores prontos para o xCloud.


Fonte: Polygon

A Microsoft, confirmou no domingo passado, que está em negociações para adquirir o aplicativo de propriedade chinesa TikTok.

Em um post publicado no seu blog, a gigante tecnológica confirmou que está em negociações para comprar o TikTok depois que o seu CEO, Satya Nadella menteve um encontro com Trump, para tratar justamente essa questão. Na publicação, a Microsoft revela que, aprecia totalmente a importância de abordar as preocupações do Presidente. “Ele está comprometido em adquirir o TikTok, sujeito a uma revisão completa da segurança e a fornecer benefícios económicos adequados aos Estados Unidos, incluindo o Tesouro dos Estados Unidos”.

A Microsoft se moverá rapidamente para prosseguir as discussões com a gestora do TikTok, ByteDance, em questão de semanas e, em qualquer caso, concluir essas discussões até 15 de Setembro de 2020. Durante esse processo, a Microsoft espera continuar o diálogo com o Governo dos Estados Unidos, incluindo o presidente.

Depois de tantas controvérsias em torno do aplicativo chinês, o presidente americano ponderou agora adoptar novas opções para forçar a empresa-mãe ByteDance em Pequim, a se desfazer do TikTok nos Estados Unidos por causa de preocupações de segurança nacional.

É a primeira vez que a Microsoft confirma que a empresa está a negociar a compra do TikTok nos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia.

"Essa nova estrutura se baseará na experiência que os usuários do TikTok actualmente adoram, além de adicionar protecções de segurança, privacidade e segurança digital de classe mundial", lê-se na publicação.

A compra do TikTok colocaria a Microsoft em uma posição poderosa para competir com o Facebook e o YouTube do Google, que operam plataformas de mídia social dominantes.

 

 

Fonte: washingtonpost

A Microsoft anunciou planos de fechar permanentemente suas lojas físicas em todo o mundo, transformando alguns locais em centros de experiência. Com a mudança, a companhia se concentrará em suas lojas online e na Microsoft.com. Segundo o site CNBC, os funcionários das lojas físicas terão a oportunidade de permanecer na empresa.

David Porter, vice-presidente corporativo da Microsoft, disse que as vendas online da companhia cresceram à medida que o portfólio de produtos da empresa evoluiu para ofertas amplamente digitais. “Agradecemos aos clientes da Microsoft Store e esperamos continuar a atendê-los online e com nossa equipe de vendas de varejo nas nossas instalações corporativas”

Na última década, a Microsoft expandiu sua presença no varejo, em um esforço de criar uma experiência de compra semelhante à da Apple, oferecendo produtos como novos Softwares e Hardwares criados pela Microsoft e seus parceiros. As lojas físicas da Microsoft já estavam fechadas temporariamente desde o mês de Março, por conta da pandemia do coronavírus.

De acordo com um comunicado, a multinacional continuará em suas frentes de lojas digitais na Microsoft.com e nas lojas Xbox e Windows, “impactando mais de 1,2 bilhão de pessoas todos os meses em 190 mercados".

 

 

 

Fonte: Microsoft

Pág. 1 de 2
© 2020 Portal de T.I Todos Direitos Reservados | Telefone: +244930747817 | E-mail: info@portaldeti.com