janeiro 24, 2021

Por: Moreira Bastos

Graças ao novo serviço do aplicativo "ONDE", vencedor da última edição do concurso Startups de Turismo, cidadãos poderão localizar ATMs com dinheiro. O aplicativo deseja fornecer aos usuários, informações sobre o estado dos caixas de pagamento electrónico (ATM), bem como a sua localização, numa primeira fase abragendo somente a província de Luanda.

Bastante aclamado pela crítica desde a sua criação em 2017, por desenvolver um trabalho de pesquisa de lugares estratégicos com as suas respectivas informações na palma da mão dos internautas, o "ONDE" deseja arrancar com o projecto dos ATMs já no primeiro trimestre do próximo ano, com dados em tempo real.

De acordo com o director executivo da ONDE, Domingos Fernando em declarações à Angop, o objectivo do novo projecto é estende-lo em todo o território nacional para mapear ATM's em parceria com os bancos que vão disponibilizar "update" (actualizações), para permitir ao ONDE fazer actualizações de fácil manuseamento disponível em aparelhos electrónicos, com o seu estilo habitual de resolver o problema da localização geográfica em Angola.

Mas Domingos Fernando deseja chegar distante com o "ONDE", num plano de prestar serviços para o governo, instituições públicas e privadas de dados, logística e navegação, projectos de construção e melhoramento na comunidade, gestão de bens e serviços.

"Os endereços são essenciais para as infra-estruturas de todos os países. Sem eles, não é possível entregar produtos e serviços", defendeu o empresário.

A EMIS, empresa interbancária de serviços, movimentou no passado mês de Novembro, mais de 180 mil milhões de kwanzas registados por meio dos sete mil cartões e 2.997 Caixas Automáticas (Multicaixas) que a empresa controla.

De acordo com Jornal de Angola, que cita os indicadores da empresa, foram registadas cerca de 12,5 milhões de operações no último mês, o que ainda assim representam números inferiores quando comparado aos 14,5 milhões de Outubro e 13,8 milhões de Setembro.

Relativamente as compras, o sistema interbancário assinalou um registo de cerca de 270 mil milhões. Uma ligeira desaceleração fica evidenciada em Novembro, considerando os 225,9 mil milhões que foram obtidos em levantamentos, 332,2 mil milhões em compras, 202,7 mil milhões em pagamentos e 573,7 mil milhões por transferências só no mês de Outubro.

Naquele mês, houve ainda devoluções do sistema, por operações não concretizadas, num total de 980,8 milhões.

Em Setembro, por referência, os levantamentos contabilizaram 213,6 mil milhões, as compras 303,1 mil milhões, os pagamentos 180,6 mil milhões e as transferências 532,1 mil milhões. Já as devoluções, naquele período, foram de 564,4 milhões.

A empresa atesta mais de cinco milhões de cartões e outros tantos milhares de terminais de pagamentos.

A Empresa Interbancária de Serviços é a operadora da rede interbancária angolana da rede de caixas electrónicos e terminais de ponto de venda para pagamentos automáticos sob a marca Multicaixa

No âmbito do Plano Nacional de Inclusão Financeira, com o objectivo principal do aumento do acesso da população não bancarizada aos serviços financeiros, o BNA conferiu à EMIS, a titularidade de se tornar na empresa responsável pela gestão da plataforma de Interoperabilidade e Câmara de Compensação do mobile money.

Segundo uma nota, publicada na última sexta-feira (13), na página oficial do Banco Nacional de Angola, atesta que, "uma das formas de aumentar a inclusão financeira, passa pela implementação de um Sistema de Transferências Móveis e Instantâneas (STMI), vulgarmente conhecido como pagamentos móveis ou mobile money.

Trata-se de um ecossistema onde, para além do regulador (Banco Nacional de Angola), farão parte sociedades prestadoras de serviços de pagamentos e sociedades operadoras de câmaras de compensação", lê-se.

O título conferido à EMIS, resultou de uma consulta de mercado nacional e internacional, feita pelo Banco Nacional de Angola, no dia 24 de Abril de 2020.

Adianta a nota que, "após ter recebido 53 (cinquenta e três) respostas de entidades que pretendiam operar a plataforma de interoperabilidade e a câmara de compensação, o BNA analisou as mesmas, tendo concluído este processo no dia 21 de Outubro do corrente ano.

Neste mesmo dia, deliberou o Conselho de Administração do BNA que, dada a sua capacidade técnica, experiência e conhecimento do mercado local, a Empresa Interbancária de Serviços (EMIS) é a que reúne melhores condições para operar a plataforma de interoperabilidade e a câmara de compensação.

O BNA esclarece que, "a implementação bem-sucedida do ecossistema do STMI pressupõe, não apenas a existência de várias sociedades que se complementam na oferta de soluções financeiras, mas também uma plataforma de interoperabilidade e uma câmara de compensação. Estes permitirão que todos os integrantes do STMI consigam não apenas comunicar entre si mas também realizar transacções financeiras, à semelhança do que existe hoje com o subsistema Multicaixa", lê-se.

O Banco Nacional de Angola, a Empresa Interbancária de Serviços e os demais stakeholders do sistema de pagamentos de Angola trabalharão conjuntamente para que, durante o ano de 2021, esteja concluída a infraestrutura do STMI permitindo a total interoperabilidade entre as sociedades prestadoras de serviços de pagamentos móveis e instantâneos.

Em função do surgimento de páginas falsas nas redes sociais, nomeadamente no Facebook, com logotipo MULTICAIXA, com o propósito de enganar os utilizadores dos serviços e produtos oferecidos através de rede MULTICAIXA, a EMIS criou a sua página oficial com vista a diferenciar-se das páginas falsas relacionadas à marca MULTICAIXA.

De acordo com uma nota enviada ao Portal de T.I, a EMIS, na sua qualidade de operador tecnológico da rede MULTICAIXA, criou a referida página da rede MULTICAIXA, cumprindo todos os pressupostos de informação alinhada com as normas comunitárias do Facebook.

O propósito da criação dessa página, visa dar maior foco na gestão de informação para os utentes de serviços e produtos oferecidos através da rede MULTICAIXA, oferecendo assim informação credível para utentes dos serviços de pagamentos.

A página designada “MULTICAIXA”, visa também a promoção de segurança, de literacia financeira, e a divulgação de boas práticas de utilização dos produtos e serviços de pagamentos oferecidos pelos Bancos angolanos com a marca MULTICAIXA.

Por outro lado, e em paralelo, foi iniciado o processo de denúncia de algumas páginas falsas, junto do Facebook, no sentido de serem desactivadas e eliminadas daquela rede social. “Será um processo complexo para o qual contamos com a colaboração de todos neste combate”, refere a nota. Nesse sentido, a EMIS agradece desde já a denuncia de qualquer actividade irregular nas redes sociais que atente contra a marca MULTICAIXA.

Desta forma a EMIS em coordenação com todos os Bancos que integram a Rede MULTICAIXA, continua a contribuir para a massificação dos pagamentos eletrónicos em Angola, oferecendo aos utentes de produtos e serviços de MULTICAIXA, elevada qualidade e segurança.

A EMIS opera no mercado angolano há 18 anos como operadora de pagamentos de comunidades bancárias angolana, com a responsabilidade de gerir infraestruturas e serviços partilhados pelas prestadoras de serviços de pagamentos, incluindo a gestão de mais de 6 milhões de cartões da marca MULTICAIXA que asseguram mais de 70 milhões de operações mês.

A Empresa Interbancária de Serviços (EMIS), apresentou o relatórios do Sistema de Caixa Eletrónico dos dois últimos meses em Angola.

Segundo o sistema de banca electrónica, movimentou no mês de Outubro, um valor global de 1,3 bilião de kwanzas, ligeiramente acima quando comparado aos 1,2 bilião de Setembro.

De acordo com os dados da Empresa Interbancária de Serviços (EMIS), 225,9 mil milhões foram obtidos em levantamentos, 332,2 mil milhões em compras, 202,7 mil milhões em pagamentos e 573,7 mil milhões por transferências. Houve ainda devoluções do sistema, por operações não concretizadas, num total de 980,8 milhões de kwanzas.

Em Setembro, por referência comparativa, os levantamentos contabilizaram 213,6 mil milhões, as compras 303,1 mil milhões, os pagamentos 180,6 mil milhões e as transferências 532,1 mil milhões. Já as devoluções, naquele período, foram de 564,4 milhões.

Na avaliação mensal do desempenho do sistema electrónico bancário do mês de Outubro, as Caixas Automáticas ou ATM (Multicaixas) contabilizaram, ao todo, o movimento de 560,2 mil milhões de kwanzas (41,9 por cento) das operações efectuadas, contra os 333,4 mil milhões dos Terminais de Pagamentos Automáticos (TPA), segundo a Emis.

Com um registo, cada vez mais notável, está também no controlo da EMIS o desempenho dos serviços HBMB Multicaixa Express, que em Outubro registou operações estimado em 310,6 mil milhões de kwanzas (27,9 por cento).

Os dados da EMIS revelam estarem activos 345.118 utilizadores do serviço Express, 2.987 Caixas Automáticas e 83.396 Terminais de Pagamento Automático.

Em termos de cartões, estão activos 3,5 milhões. O total válido foi estimado no mês em 5,1 milhões e por activar estão outros 747.668 cartões. O somatório de cartões registados na base da empresa interbancária é de 5,8 milhões.

Os números registados pelos TPA no mês de Outubro são os mais altos dos últimos 12 meses, só superado pelos dados de Dezembro de 2019.
A média mensal alcançada situa-se nos 333,4 mil milhões de um número de 22,3 milhões de operações.

Quanto às Caixas Automáticas, no comparativo dos 12 últimos meses (incluindo o Outubro), o desempenho alcançado apenas foi superado em Dezembro e Outubro, ambos do ano passado.

Ainda sobre a operacionalidade da rede de serviços electrónicos, vale dar nota de que o Banco Angolano de Investimentos (BAI) e o Banco de Fomento Angola (BFA) notificaram, na semana finda, a realizações de operações de substituição de alguns terminais.

Esta operação visa também proporcionar aos usuários caixas mais actualizadas e melhor adaptadas às exigências face ao momento da actual pandemia.

Pág. 1 de 2
© 2020 Portal de T.I Todos Direitos Reservados | Telefone: +244930747817 | E-mail: info@portaldeti.com