janeiro 24, 2021

Você se sente mais inteligente?

By janeiro 13, 2021
Você se sente mais inteligente? Imagem: D.R

Imagine que está a fazer um exame e tem de responder à pergunta abaixo.

Estamos cada vez mais inteligentes?

R: «SIM» (Minha resposta imediata)

Sim, estamos cada vez mais inteligentes. Sinto a Humanidade cada vez mais capaz de grandes realizações e em diferentes áreas do saber. Vejo avanços na investigação científica, vejo a descobertas fantásticas na medicina, vejo modelos complexos de engenharia aplicados de forma user friendly, vejo pessoas digitalmente mais incluídas e empreendedoras.

Estamos cada vez mais inteligentes?

R: NIM (Minha resposta após ponderação)

Se calhar não estamos assim tão (mais) inteligentes. Apenas estamos rodeados de mais smart things e devices que dão a ilusão de estarmos mais superdotados. Afinal o quotidiano 4.0 nos abraça com diversos conceitos «smart»: 

  • Smart TV
  • Smart Watch
  • Smart phone
  • Smart Wearable technology
  • Smart City

No fundo, estamos cada vez mais amigos da inteligência artificial e nos beneficiamos do exponencial de eficiência e eficácia que A.I proporciona. Ou seja, o homem (a)parece como o mais inteligente, mas na verdade, subcontratou a tecnologia para fazer grande parte do trabalho em sua representação. Por exemplo, o uso do Auto Pilot na aviação comercial, o carro autónomo e soluções de robótica.

Estamos cada vez mais inteligentes?

R: Não (Minha resposta depois de muitas dúvidas existenciais)

Estudos dizem que a próxima geração de pessoas (a geração dos “nativos digitais”) vai ter um quoeficiente de inteligência mais baixo que a geração dos seus pais. Isto porque o seu cérebro e actividade intelectual não é treinada convenientemente.  Os especialistas dizem que (entre outros factores) os dispositivos digitais afectam o desenvolvimento neuronal das crianças. A excessiva exposição à telas (televisão, tablets, mobile etc) diminui a capacidade cognitiva, perda de concentração, redução da capacidade de memorização e menor interacção social. Tudo somado, afecta a capacitação de comunicação, gestão emocional e a maturação cerebral das crianças.   

Bom. Confesso que nesta altura do exame «Eu só sei que nada sei», e as dúvidas sobre a resposta certa se estamos mais inteligentes ou não se avolumaram. Todavia, tenho uma certeza na vida:  

  • Desde o momento em que passei a usar a calculadora eu desaprendi a tabuada...

 Assim, o problema não é a tecnologia «fazer» as coisas por nós, o problema é deixarmos de pensar. Tenho dito! 

 

 

Luís Catuzeco José

Luis Catuzeco José é um entusiasta pela partilha de conhecimento e debates sobre temas relacionados com novas tecnologias e sociedade.

© 2020 Portal de T.I Todos Direitos Reservados | Telefone: +244930747817 | E-mail: info@portaldeti.com